Eu não acredito no messianismo político evangélico!


EU NÃO ACREDITO NO MESSIANISMO POLÍTICO EVANGÉLICO


Por Renato Vargens
Bastam as eleições se aproximarem, que se torna absolutamente comum aparecer nos arraiais evangélicos, cristãos afirmando que receberam um chamado especial da parte de Deus para se candidatar a algum cargo publico. Entretanto, a história recente do Brasil nos mostra que a chegada de políticos evangélicos a cargos públicos não tem feito diferença na ética política do país, isto porque, o universo político evangélico não constitui, uma referência ética à sociedade brasileira. Basta ver que, nos últimos anos, o envolvimento da maioria dos evangélicos com a política produziu mais males do que benefícios. A CPI do Orçamento revelou o triste fato de deputados e organizações evangélicas roubavam na maior cara de pau o tesouro público. Junta-se a isso o fato de que vários políticos denominados evangélicos sucumbiram a subornos, mentindo descaradamente, vendendo votos e tonando-se assunto de piada em toda nação.
Lembro que certa feita, enquanto oficializava uma cerimônia fúnebre, um destes “pseudos-politicos-cristãos”, solicitou-me uma pequena oportunidade para que publicamente pudesse demonstrar sua solidariedade a família enlutada, além obviamente de falar de sua candidatura à Câmara Municipal da Cidade. Fato que obviamente não permiti.
Em época de eleição é comum receber a solicitação de inúmeros políticos, os quais em nome de “Deus”, advogam a crença de que o Todo-poderoso os convocou a uma missão hercúlea, a qual somente eles conseguirão viabilizar. Tais cidadãos fazem uso de chavões e de frases prontas do tipo: “Somos cabeça e não cauda”, “ A política brasileira precisa de homens de Deus”, e etc.
Ora, não acredito em messianismos utópicos, nem tampouco em pastores especiais, que trocaram o santo privilégio de ser pregador do evangelho eterno por um cargo público qualquer. Não estou com isso afirmando de que o crente em Jesus não pode jamais concorrer a um cargo publico. Tenho convicção de que existem pessoas vocacionadas ao serviço público, as quais devem se dedicar com todo esmero a esta missão. No entanto, acredito que o fator preponderante a candidatura a um cargo qualquer, deve ser motivada pelo desejo de servir o povo e a nação, jamais fazendo do nome de Deus catapulta para sua projeção pessoal.
Agora, se mesmo assim o pastor desejar candidatar-se, que deixe o pastorado, que não misture o santo ministério com o serviço público, que não barganhe a fé, nem tampouco confunda as ovelhas de Cristo com o gado marcado para o abate. Que não comercialize aqueles que o Senhor o confiou, nem tampouco se locuplete do nome de Deus a fim de atingir seus planos e objetivos.
Soli Deo Gloria!
***
Postado por Renato Vargens, no Púlpito Cristão.

Que o SENHOR tenha misericórdia de nós! AMÉM!

Comentários

Infelizmente a realidade politica pseudocristã depõe contra o real testemunho Cristão.
Lembremos sempre que, não é Jesus que reina nesse sistema corruptível em que vivemos, e que Luz e Trevas não se misturam.
Se temos que ser imitadores de Cristo, então o sejamos e ponto final!

Postagens mais visitadas deste blog

5 Expressões Sem Sentido Usadas na Igreja Hoje!

Denúncia na igreja do evangelho quadrangular!

95 Teses para a Igreja de Hoje