Qual a melhor tradução da Bíblia?

Qual a melhor tradução da Bíblia?

Por Gutierres Fernandes Siqueira

As traduções bíblicas são baseadas em dois tipos de manuscritos: O "Texto Recebido” ou Textus Receptus [1] e o "Texto Crítico". Bom, isso faz com que tenhamos esse maravilhoso universo de traduções (ARC, ARF, ARA, NVI, AFC, BJ, TB, etc.) e paráfrases das Sagradas Escrituras (NTLH, BV, A Mensagem etc.). O cristão do século XXI é um grande privilegiado no acesso ao estudo fácil, acessível e barato. 

Agora, é impressionante como alguns -não são todos- que preferem o "Texto Recebido", especialmente defensores da ARF (Almeida Revista Fiel), desenham as demais traduções como tragédias para o cristianismo ortodoxo. Como sempre, a postura fundamentalista é excessivamente preocupada com questões secundárias. Alguns chegam a dizer que a expiação vicária ou a doutrina da Trindade são ameaçadas por traduções como ARA (Almeida Revista e Atualizada) e NVI (Nova Versão Internacional). Pode isso, Arnaldo? 

Nunca esqueço de ter lido o absurdo- em uma antiga revista evangélica- que a NVI era um instrumento da Nova Era. Lembram dessa fase frenética de especulações e doideiras sobre símbolos e desenhos da Disney? Bom, sobrou até para uma ótima tradução. [2] 

O Texto Crítico é um complemento importante ao Texto Recebido. Não é uma questão de rivalidade entre a tradição e a modernidade ou entre o “texto puro” e o “texto sob a crítica de eruditos não necessariamente cristãos”. Detesto a postura daqueles- especialmente os fundamentalistas clássicos- de celebrar uma tradução como “pura”. Assim também como é detestável aqueles que desprezam com “cara de nojo” qualquer tradução mais literalista. 

Precisamos deixar de meninices e podemos aproveitar essa riqueza de traduções (sejam antigas ou novas) para um melhor entendimento das Escrituras. Isso sim é essencial. Então, qual a melhor tradução da Bíblia? A resposta é: esqueça isso. Não existe “a” melhor tradução. Simplesmente compare diversas traduções e seja bíblico. 

Notas:

[1] Os manuscritos do Texto Majoritário são semelhantes, mas não iguais, aos Textus Receptus
[2] Existem traduções falsificas? É claro que sim. Exemplo é a Tradução do Novo Mundo. Graça ao bom Deus essas traduções são raras e restritas nas seitas correspondentes.


Que o SENHOR tenha misericórdia de nós! AMÉM!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

5 Expressões Sem Sentido Usadas na Igreja Hoje!

Denúncia na igreja do evangelho quadrangular!

95 Teses para a Igreja de Hoje