Pular para o conteúdo principal

“O crescimento evangélico tem como causa a teologia da prosperidade!”

“O crescimento evangélico tem como causa a teologia da prosperidade!”

Por Gutierres Fernandes Siqueira

Eis o maior de todos os clichês para explicar o crescimento evangélico. Quem nunca ouvi essa frase? Eu já ouvi e li esse clichê em palestras de teólogos evangélicos, em seminários entre estudiosos católicos, artigos de jornais, reportagem de revistas, papers acadêmicos, blogs cristãos etc.

1. É claro pelos números que o crescimento evangélico ganhou mais corpo a partir de 1991. Naquele ano éramos apenas 9% da população. Em 2010 já éramos 22,2%. Mas é perceptível que o crescimento vem constante e persistente. Não há grandes saltos, mas sim um pequeno incremento na velocidade desse crescimento.

Gráfico publicado no jornal O Estado de S. Paulo
2. A Teologia da Prosperidade chegou ao Brasil na década de 1970, mas a popularidade dessa doutrina se deu na década de 1990 e 2000. Isso coincide com um crescimento evangélico maior, mas não necessariamente explica essa maior velocidade. É bom observar que igrejas ícones dessa teologia- como a Igreja Universal do Reino de Deus e Igreja Apostólica Renascer em Cristo- perderam membros e encolheram na década de 2000.  

3. Portanto, fica a pergunta: o que impulsionava o crescimento vigoroso entre as décadas de 1940 e 1970? Certamente que não era a prosperidade. A mensagem protestante/evangélica era em si pietista (antimundana, pobreza como expressão de humildade, legalismo, moralismo e experiências de conversão). Ora, nada disso tem ligação com a mensagem de autoajuda e prosperidade dos grandes tele-evangelistas. Falar que a Teologia da Prosperidade explica o crescimento evangélico é desprezar 70% do avanço dado no século XX.

4. A sociologia da Religião sempre explica o fenômeno religioso como consequência do meio e nunca como causa. É quase um vício acadêmico. O crescimento evangélico foi explosivo e os estudiosos se voltaram para os pais da sociologia. Leram o processo com óculos redundantes. O professor Jorge Pinheiro explica:

A academia em suas análises sobre o fenômeno evangélico brasileiro na alta-modernidade urbana criou três lugares comuns: mercado, trânsito religioso e fundamentalismo. Na verdade, a leitura reducionista da realidade traduz um defeito que nasceu de suas bases teóricas de análise, fundamentadas sobre les trois petits cochons da sociologia: Marx, Durkheim e Weber. É a partir dessa trindade que nos debruçamos sobre o fenômeno religioso. Esses três pensadores das ciências sociais, por mais importantes, tinham em comum a ideia de a religião é sempre consequência, resultante de fenômenos ou situações sociais e nunca fenômeno fundante, embora relacional com contexto cultural da época, situação e geografia. [1]

5. Aos evangélicos fascinados com conclusões sociológicos parece existir um ceticismo desprezador de qualquer intervenção divina. É duro ver jovens confundindo Ciências da Religião com teologia. Ora, enquanto a primeira é mais uma das ciências humanas, a segunda é um exercício de fé e dogma. A soberania de Deus não pode ser, também, descartada nesse processo, mesmo sem esquecer a mundanidade dos homens.

Referência:

[1] PINHEIRO, Jorge. Evangelicalismo e cidade: mitos da religiosidade evangélica brasileira. Em: REGA, Lourenço Stelio (org.) Quando a Teologia Faz Diferença: Ferramentas para o Ministério nos Dias de Hoje. 1 ed. São Paulo: Editora Hagnos, 2012. p 201-202.


Que o SENHOR tenha misericórdia de nós! AMÉM!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

5 Expressões Sem Sentido Usadas na Igreja Hoje!

As 5 expressões evangélicas mais sem sentido usadas nas Igrejas
5 – EXORTAR Essa expressão é usada de modo equivocado em 100% das Igrejas. Segundo qualquer dicionário, exortar significa “animar, incentivar, estimular”. Logo, exortar o irmão que está em pecado na verdade não significa repreende-lo. Quem está vivendo no erro não precisa de um incentivo, mas de um auxílio. 4 – LEVITA Essa morreu no Antigo Testamento. Os Levitas eram descendentes da Tribo de Levi, e eram encarregados de TODO O SERVIÇO no Templo. Mas Levita tem sido usado como sinônimo de músico. Besteira pura! Pra começar a música no serviço levítico era a menor das tarefas. A faxina, organização e carregar peso nas costas, isso sim era a parte mais importante do trabalho. Levando em conta que não somos judeus, não somos descendentes daquela tribo e também lembrando que o Templo não existe mais, então estamos dispensados do serviço levítico. Músico é músico. Ponto.
3 – PROFETA Segundo a bíblia, profeta é aquele que revela a von…

Denúncia na igreja do evangelho quadrangular!

PASTORA DENUNCIA LIDERANÇA DA IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR Comentário de Wagner Lemos (ex-membro dessa empresa que muitos chamam de Igreja Quadrangular): Como membro da Quadrangular a mais de 15 anos sei de muita coisa ali… e o que é escancarado é nossa liderança corrupta! Que vê as igrejas como empresas e sua membresia como clientes. Tenho um amigo pastor que foi designado para pastorear uma igreja Quadrangular numa cidade vizinha a nossa, e quando retornou me contou com lagrimas nos olhos: A reunião de liderança da minha região é uma vergonha! Tive que ouvir coisas como: Bater metas financeiras… Arrecadação… Propósitos… Não ouve a menção de almas! Apenas dinheiro… Parecia estar numa reunião de empresários sem ser uma… E esse vídeo que achei na internet só comprova aquilo que já sabia a muito tempo! Os pastores do alto escalão, normalmente os responsável por cada região sobrevivem das igrejas de bairro. Os pastores se viram como podem para manter a igreja e ainda enviar a porcent…

95 Teses para a Igreja de Hoje

Reafirmamos a necessidade das 95 teses de Lutero para Igreja. Há uma necessidade de uma Reforma nos dias atuais!
1 – Reafirmamos a supremacia das Escrituras Sagradas sobre quaisquer visões, sonhos ou novas revelações que possam aparecer. (Mc 13.31) 2 – Entendemos que todas as doutrinas, idéias, projetos ou ministérios devem passar pelo crivo da Palavra de Deus, levando-se em conta sua total revelação em Cristo e no Novo Testamento do Seu sangue. (Hb 1.1-2) 3 – Repudiamos toda e qualquer tentativa de utilização do texto sagrado visando a manipulação e domínio do povo que, sinceramente, deseja seguir a Deus. (2 Pe 1.20) 4 – Cremos que a Bíblia é a Palavra de Deus e que contém TODA a revelação que Deus julgou necessária para todos os povos, em todos os tempos, não necessitando de revelações posteriores, sejam essas revelações trazidas por anjos, profetas ou quaisquer outras pessoas. (2 Tm 3.16) 5 – Que o ensino coerente das Escrituras volte a ocupar lugar de honra em nossas igrejas. Que haja …