A Igreja das Ilusões Perdidas!


A IGREJA DAS ILUSÕES PERDIDAS

Por Jofre Garcia
É verdade! O título está errado.
A Igreja não vive nem desfruta nem se dá em ilusões que podem evidentemente serem perdidas ou desfeitas. Ora, a Igreja não deve perder-se nem mesmo em conceitos relativos a uma época, cultura e modo intelectualmente restrito a fenomenologia do tempo na humanidade. Deve caminhar nos fundamentos e princípios de fé em Cristo, subjugada a Cristo, adorando a Cristo, servindo a Cristo, o que nos torna livres, pensantes e fraternalmente comunitários, além de fracassadamente vitoriosos e triunfantemente fracassados.
E não é que parece ser uma utopia ilusória?
Parece.
Mas não é.
A Igreja da qual eu sou é assim.
Ela me parece um tanto quanto ingênua; desnuda de maldade e intenções, não me oferece nada para que orgulhosamente eu ostente: “sou isto e isso nesta Igreja”. Mostra-me os cravos das mãos e pés do Cabeça e se oferece para junto comigo trilhar o caminho estreito, espinhoso e cheio de pedras, mas, também, repleto da presença consoladora d’Ele.
Às vezes encontro com ela na rua, pobrinha, está varrendo onde pisam os incrédulos e os dizem ser, e não são. E quando ela fala comigo divide a sua riqueza.
Como é rica a minha Igreja!
Não tem nada, mas, possui tudo!
Outras vezes, tristonha, cabisbaixa: “Menino doente, perdido no mundo”. Então, choro a tristeza junto e ela chora comigo as minhas, parecemos tão impotentes diante de um mundo mal que jaz no Maligno. Mas, ainda que morramos, não será para sempre, pois, viveremos eternamente com o Senhor.
Mas, também a encontro em júbilo: “Menino curado, salvo do mundo”. Então, me alegro e solto meu riso, riso de conforto em saber que a Igreja que me tem, tem um Dono que solidariza-se na minha dor e na dor dos invisíveis aos sistemas, financeiros, políticos, jurídicos, religiosos, etc.
A Igreja que me tem, tem um jeitão assim, bem brasileiro, é certo. Mas, também é argentina, japonesa, americana, italiana, alemã, africana, australiana, indígenas, é gente que nunca vou entender a língua, mas o Espírito as entende tão bem e na linguagem da fé, esperança e amor, nem de tradutor nós precisamos para perceber que temos o mesmo PAI.
A Igreja que me tem às vezes nem tem sapatos, adora de chinelão e isso não atrapalhou. Certa vez a vi de calção de banho, cabelos ao vento, pés na areia, olhos no mar e coração no céu, num perfeito louvor, e depois… ÁGUA! Thibuuummm!!!
A Igreja que me tem não me carimbou com um número, pois o Pai selou-me com o Espírito e o Cordeiro marcou-me com seu sangue. Crescer nessa Igreja não é paranóia missionária, mas é a transbordante Missão de fazer discípulos aonde vou, onde estou, onde devo ir, por que sou e pertenço e o Reino tem muitos outros que ainda não são, e devem ser, e por não saber devo seguir sempre, anunciando.
A Igreja que me tem prega cantando, prega pregando, prega ensinando, prega curando, prega quando ri e quando chora, prega no abraço que abraça a vida e não o mundo. Ela não me machuca nem decepciona. Não me frustra, pois não é feita do pó humano, mas, da Rocha Divina.
Parece ilusão, que a agonia deste mundo sufocou.
Não!
Ilusão é o que vemos nos expor como realidade cristã e não é. Não suportaria se o que dizem ser Igreja o fosse. Não quero essa igreja que se mostra na tevê, e em tantos púlpitos. Tão feia. Miseravelmente rica me tira tudo. É feroz, desumana, bandida!
Agride, machuca, retalha minha esperança e nos divide em tantos pedaços, já nem posso contar.
A Igreja que me tem, não me cobra nada, eu lhe entrego tudo.
N’Ele, no qual a Igreja é seu Corpo.
***
Fonte: Auxílio do Alto, blog do nosso colaborador Jofre Garcia.
Que o SENHOR tenha misericórdia de nós! AMÉM

Comentários

Di Vieira disse…
Amém!!! Minha alma se alegra com as palavras vindas do seu coração.

Postagens mais visitadas deste blog

5 Expressões Sem Sentido Usadas na Igreja Hoje!

Denúncia na igreja do evangelho quadrangular!

95 Teses para a Igreja de Hoje