Pular para o conteúdo principal

Quem tem, põe. Quem não tem, tira...


Quem tem, põe. Quem não tem, tira...



Por Hermes C. Fernandes

“Vamos correr a sacolinha. Quem tem, põe. Quem não tem, tira”. Este era o bordão usado por Tim Tones, um dos mais controversos personagens de Chico Anysio, satirizando pregadores midiáticos em suas mirabolantes performances para levantar ofertas. Apesar de tratar-se de uma sátira, este bordão expressa a crença comum de que ninguém pode dar o que não tem.


Como poderíamos dar o que jamais recebemos? Um homem que não recebeu amor do pai, como poderá oferecer este amor ao seu filho? Uma mulher cujos pais eram incapazes de demonstrar amor recíproco, como saberá demonstrar amor ao seu marido? Como reproduzir aquilo de que não temos qualquer referência?


A lógica dos relacionamentos humanos se baseia nesta premissa: Só damos o que houvermos recebido. Ninguém cobre de nós mais do que a vida nos deu. A graça, porém, rompe com esta lógica, fazendo-nos ir além de nossos recursos (fique despreocupado que este artigo não é sobre ofertas).


Foi esta lógica subversiva que guiou os cristãos primitivos. Veja o exemplo relatado por Paulo em sua segunda epístola aos Coríntios:
“Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus que foi dada às igrejas da Macedônia; como, em muita prova de tribulação, a abundância do seu gozo e sua profunda pobreza abundaram em riquezas da sua generosidade. Porque, dou-lhes testemunho de que, segundo as suas posses, e ainda acima das suas posses, deram voluntariamente, pedindo-nos, com muito encarecimento, o privilégio de participarem deste serviço a favor dos santos; e não somente fizeram como nós esperávamos, mas primeiramente a si mesmos se deram ao Senhor, e a nós pela vontade de Deus.”
2 Coríntios 8:1-5



Apesar de sua condição econômica precária, a igreja macedônia fez questão de recolher e enviar suas ofertas para a igreja em Jerusalém, que vivia um momento crítico, beirando à miséria. Paulo até que tentou poupá-los, porém, nada conseguia dissuadi-los de estender as mãos a irmãos que sequer conheciam. Paulo se refere a esta atitude altruísta como manifestação legítima da graça de Deus, fazendo com que dessem “acima de suas posses”, e ainda dessem “a si mesmos”.


Seria este caso uma exceção, ou o padrão pelo qual deveríamos pautar nossas atitudes? Seria justo requerer de nós mais do que podemos dar? Como dar o que não se tem? Como oferecer o que jamais se recebeu? Somente a graça de Deus nos habilita a proezas desta natureza. Haveria alguma passagem bíblica que deixasse clara a disposição do Senhor em requerer de nós tal postura?


Na conhecida parábola dos talentos, Jesus conta que um homem distribuiu talentos aos seus servos. Ao retornar de viagem, chamou-os para a prestação de contas. O que ganhou cinco talentos, negociou e multiplicou-os por dois. O que ganhou dois, idem. Porém, o que ganhou apenas um, preferiu enterrá-lo para não correr o risco de perder o único que tinha. Suas desculpas não foram aceitas. Seu senhor esperava que ele fizesse como os demais, multiplicando seu único talento. Por tê-lo enterrado, perdeu-o para o que ganhara mais.


Repare na resposta dada pelo seu senhor:
“Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Mau e negligente servo; sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei?” Mateus 25:26
Se este senhor da parábola é uma representação do próprio Deus, podemos concluir que teremos que dar contas até do que não recebemos. Deus ceifa onde não semeou.


Ainda que isso nos soe estranho, e até injusto da parte de Deus, temos que entender o teor subversivo por trás desta parábola. Trata-se da resposta que damos à maneira como a vida nos tem tratado.


O fato de termos recebido pouco ou menos do que achamos que merecemos não nos isenta da responsabilidade. Mesmo quando não somos amados como gostaríamos de ser. Ou quando o nosso trabalho não é devidamente valorizado. Ou ainda, quando sequer recebemos a mínima atenção ou tratamento digno.


Não somos aquilo que a vida nos faz, e sim aquilo que fazemos com o que a vida nos faz. É a resposta que dermos à vida que fará toda a diferença. Somente a graça nos habilita a responder adequadamente às demandas existenciais.


A graça capacita vítimas a não repassarem esta condição a outros. Ela nos concede o dom da empatia. Qualquer ser humano pode nutrir algum tipo de simpatia com o seu semelhante, porém, somente a graça produz empatia. A simpatia consiste na capacidade de entender os sentimentos alheios, sejam positivos ou negativos. A simpatia nos faz olhar com bons olhos o que o outro está vivendo, ou a maneira como vive. Mas a empatia vai muito além. Ela nos faz sentir na pele o que o outro sente. A simpatia nos aproxima, a empatia nos faz comprometer-nos. A simpatia nos impele a estender as mãos, a empatia nos leva a abraçar. A simpatia nos faz desejar o melhor ao nosso semelhante, a empatia nos faz lutar para que este melhor o alcance.


O inverso da simpatia é a antipatia. O inverso da empatia é a apatia. Pior que um sentimento odioso pelo nosso próximo é a total indiferença. Quem odeia, pelo menos, se importa. Já o indiferente não perde tempo nem energia pensando no outro. Ele simplesmente o ignora. A antipatia nos faz distanciar, enquanto a apatia nos faz dar as costas.


A empatia equivale à compaixão. Compadecer-se é “padecer com”, sofrer junto.


Foi este o sentimento que Deus ordenou que Seu povo nutrisse para com os estrangeiros que peregrinassem em suas terras. Confira:
“O estrangeiro não afligirás, nem o oprimirás; pois estrangeiros fostes na terra do Egito.” Êxodo 22:21
“E quando o estrangeiro peregrinar convosco na vossa terra, não o oprimireis. Como um natural entre vós será o estrangeiro que peregrina convosco; amá-lo-ás como a ti mesmo, pois estrangeiros fostes na terra do Egito. Eu sou o SENHOR vosso Deus.”
Levítico 19:33-34
“Por isso amareis o estrangeiro, pois fostes estrangeiros na terra do Egito.” Deuteronômio 10:19


De acordo com estas passagens, os israelitas não deveriam afligir, nem oprimir, mas amar o imigrante, uma vez que eles mesmos haviam estado nesta condição no Egito.


Embora lá eles tenham sido escravos, não deveriam escravizar quem peregrinasse em suas terras. O fato de terem sido estrangeiros no Egito deveria levá-los a compadecer-se de quem estivesse na mesma condição. Quem um dia foi vítima não tem o direito de vitimar.


Caso não pautemos nossa caminhada por este princípio, corremos o risco de fazer da vida uma espécie de forra. Quem hoje é oprimido, não vê a hora de dar a volta por cima, tornando-se no opressor. Infelizmente, este tem sido o espírito encontrado em muitas pregações e canções em nossas igrejas. Pregadores vociferam: Quem hoje te humilha, um dia terá que te aplaudir! Aonde foram parar o perdão, a compaixão, a humildade, virtudes cardeais do cristianismo?


Empatia era o que Deus exigia que Seu povo tivesse com os imigrantes. Não apenas simpatia, muito menos apatia ou antipatia, mas empatia. Não bastaria que eles não os afligissem (para isso bastava apatia), nem que os oprimisse (simpatia); eles teriam que amá-los (empatia).


Quem, de fato, teve uma experiência radical com a graça jamais poderia viver como se fosse o centro do universo, ignorando quem está ao seu redor. Os pais devem amar aos filhos radicalmente, ainda que não tenham sido igualmente amados por seus próprios pais. Os filhos devem ser apaixonados por seus pais, ainda que estes não retribuam seu amor.


Outro exemplo desta lógica subversiva pode ser extraído diretamente da galeria dos heróis da fé. De todas as proezas relatadas no capítulo 11 de Hebreus, o que mais me chama a atenção é a frase “da fraqueza tiraram forças”.


Confira o contexto:
“Os quais pela fé venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões, Apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitos dos estranhos.”
Hebreus 11:33-34
Qual era o segredo destes heróis? Como tirar de si algo que não tem?


Lembre-se que o poder de Deus se aperfeiçoa em nossa fraqueza. Em outras palavras, nossas debilidades oferecem o encaixe perfeito para o poder de Deus. Temos que admitir nossa fragilidade para que nossas lacunas sejam devidamente preenchidas pelos inesgotáveis recursos da graça. Será esta graça que capacitará pais a amarem seus filhos, ainda que tenham sido abandonados em sua infância. Esta mesma graça romperá com o ciclo de abuso numa família. Quem sofreu, não imporá a outro o mesmo martírio. Encontraremos força em nossa fraqueza, recursos em nossa miséria, consolo para outros em nossa própria experiência.


Que o SENHOR tenha misericórdia de nós! AMÉM!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

5 Expressões Sem Sentido Usadas na Igreja Hoje!

As 5 expressões evangélicas mais sem sentido usadas nas Igrejas
5 – EXORTAR Essa expressão é usada de modo equivocado em 100% das Igrejas. Segundo qualquer dicionário, exortar significa “animar, incentivar, estimular”. Logo, exortar o irmão que está em pecado na verdade não significa repreende-lo. Quem está vivendo no erro não precisa de um incentivo, mas de um auxílio. 4 – LEVITA Essa morreu no Antigo Testamento. Os Levitas eram descendentes da Tribo de Levi, e eram encarregados de TODO O SERVIÇO no Templo. Mas Levita tem sido usado como sinônimo de músico. Besteira pura! Pra começar a música no serviço levítico era a menor das tarefas. A faxina, organização e carregar peso nas costas, isso sim era a parte mais importante do trabalho. Levando em conta que não somos judeus, não somos descendentes daquela tribo e também lembrando que o Templo não existe mais, então estamos dispensados do serviço levítico. Músico é músico. Ponto.
3 – PROFETA Segundo a bíblia, profeta é aquele que revela a von…

Denúncia na igreja do evangelho quadrangular!

PASTORA DENUNCIA LIDERANÇA DA IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR Comentário de Wagner Lemos (ex-membro dessa empresa que muitos chamam de Igreja Quadrangular): Como membro da Quadrangular a mais de 15 anos sei de muita coisa ali… e o que é escancarado é nossa liderança corrupta! Que vê as igrejas como empresas e sua membresia como clientes. Tenho um amigo pastor que foi designado para pastorear uma igreja Quadrangular numa cidade vizinha a nossa, e quando retornou me contou com lagrimas nos olhos: A reunião de liderança da minha região é uma vergonha! Tive que ouvir coisas como: Bater metas financeiras… Arrecadação… Propósitos… Não ouve a menção de almas! Apenas dinheiro… Parecia estar numa reunião de empresários sem ser uma… E esse vídeo que achei na internet só comprova aquilo que já sabia a muito tempo! Os pastores do alto escalão, normalmente os responsável por cada região sobrevivem das igrejas de bairro. Os pastores se viram como podem para manter a igreja e ainda enviar a porcent…

95 Teses para a Igreja de Hoje

Reafirmamos a necessidade das 95 teses de Lutero para Igreja. Há uma necessidade de uma Reforma nos dias atuais!
1 – Reafirmamos a supremacia das Escrituras Sagradas sobre quaisquer visões, sonhos ou novas revelações que possam aparecer. (Mc 13.31) 2 – Entendemos que todas as doutrinas, idéias, projetos ou ministérios devem passar pelo crivo da Palavra de Deus, levando-se em conta sua total revelação em Cristo e no Novo Testamento do Seu sangue. (Hb 1.1-2) 3 – Repudiamos toda e qualquer tentativa de utilização do texto sagrado visando a manipulação e domínio do povo que, sinceramente, deseja seguir a Deus. (2 Pe 1.20) 4 – Cremos que a Bíblia é a Palavra de Deus e que contém TODA a revelação que Deus julgou necessária para todos os povos, em todos os tempos, não necessitando de revelações posteriores, sejam essas revelações trazidas por anjos, profetas ou quaisquer outras pessoas. (2 Tm 3.16) 5 – Que o ensino coerente das Escrituras volte a ocupar lugar de honra em nossas igrejas. Que haja …