MÍSTICA OU MISTICISMO?

 
MÍSTICA OU MISTICISMO?

Tem gente me achando muito místico de uns tempos para cá. Já soube de várias dessas leituras que os “experts” nos “outros” fazem de mim; e dou risadas.
No tempo da Idade da Pedra eu fui considerado pentecostal...[1973-1981].
Depois carismático... [Presbitério de Niterói, um certo “Cleomenis”, 1982-85].
Depois social... [1986-1994]...
Depois político... [1998-1999]...
Depois esotérico... [Nephilim]...
Depois em fuga... [morte do meu filho Lukas]...
Agora, místico demais...
Entretanto, a viagem é deles, não minha. Afinal, sempre cri em tudo o que creio...
Na realidade eu já fui muito mais místico do que hoje, entretanto, a mística de minha alma amadureceu...
Antes eu queria ver... Hoje, sem buscar, vejo.
Antes eu esperava sinais... Hoje eu sei que vivo e ando entre sinais...
Antes eu invocava... Hoje me sinto invocado...
Antes eu buscava saber... Hoje o saber me arromba quando quer...
Antes eu pensava... Hoje me vejo sendo pensado por Ele...
Mas para os que me acham hoje muito místico [rsrsrs], quero dizer o seguinte:
Eu amo a “onda” que a anestesia dá. Rsrsrs.
A primeira vez que fui anestesiado, aos 7 anos de idade, tive uma experiência inusitada. Enquanto me sedavam com aquela velha mascara de anestesiar, fui entrando em outra dimensão, não qual a luz era âmbar e o cenários era ao estilo Escocês, cheio de grama, relva a perder de vista, montanhas, água cruzando os vales... Eu, entretanto, corria em fuga, pois, uma voz me perseguia de cima, como se sobre mim voasse, a qual dizia: Quem é da Terra não vem à Lua!
Tal experiência nunca me deixou... É mais nítida do que a maioria das coisas nítidas.
Depois fui anestesiado de modo geral algumas outras vezes... Sempre voltei em estado de alegria das anestesias... Somente em janeiro de 2005, quando quase morri de uma parada respiratória, em razão de outras complicações, foi que voltei da anestesia em angustia, pois, havia um enorme e grosso tubo enfiado no fundo de minha garganta... Mas, uma vez tirado o tubo, a ondinha diferente daquele sono induzido, voltou a me ninar com carinho...
Nesta semana, enquanto operava o coração por meios novos e modernos, ao voltar, sentia mais que tudo a alegria de um ambiente no qual eu havia entrado...
Não vi ninguém... Não saí do corpo... Não ouvi conversas na sala de operação... Não fui a lugar algum... Mas, estranhamente..., sabia...; sabia; sabia; sabia...
Era como entrar na luz. Na luz não há necessidade de ver nada... Na luz tudo está visto, dito e contado... para além de sons, visões e imagens. Na Luz o que é, é.
Saí do “ambiente” como quem tinha sido levado muito, muito além, embora, de algum modo, meu ser soubesse de tudo o que acontecia a mim na mesa de operação.
Ora, os que acham que estou ficando místico, dizem isto por varias razões, entre elas por afirmações como a que acabei de fazer; e mais: em razão, por exemplo, de eu crer que anjos e óvnis são manifestações dos mesmos poderes espirituais... Mas é apenas opinião minha, e não um fato revelado da fé; pelo menos por enquanto...
O mundo, todavia, continuará ainda girando, e, então, em não muito tempo, saber-se-á se eu estava certo ou apenas misticamente enganado.
Enquanto isto eu sigo, dizendo: Eu cri; por isto é que falei!
De minha parte tenho muita dó do fato que mística de crente seja apenas expressão de emoção em cultos públicos; e olhe lá!...
Ou seja:
A mística dos crentes é nervosa, angustiada e histérica; posto que seja apenas uma crença no sobrenatural em razão da necessidade ou da angustia, mas não o fruto do amor que discerniu o diapasão das melodias silenciosas..., somente perceptíveis na quietude da fé que deita na cama de Deus e vira para o lado como quem se aninha no lugar mais seu da vida: o amor de Deus.
Misticismo é pagão; é um sistema mágico e mecânico; não vem das livres expressões do amor e da confiança, mas sim das mecânicas de suposta manipulação do mundo espiritual; o que não passa de macumba.
Mística, todavia, é a certeza da companhia invisível...; e é o discernimento das presenças e sinais de tamanha delicadeza que somente os discerne quem anda aberto para eles..., pela fé.
Balaão era crente no misticismo, por exemplo.
Já Ezequiel, Zacarias, Maria, Paulo e tantos outros, eram apenas seres místicos; ou seja: abertos para certezas de coisas que se esperam e capazes de, pela fé, verem as coisas que não estão obviamente visíveis.
Assim, digo: sem mística a fé não tem alegria e nem gosto; o tempero da fé está na cozinha dos ambientes invisíveis...

Nele, que via anjos de Deus subindo e descendo... e que disse que nós também veríamos,

Caio
17 de abril de 2009
Copacabana
RJ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

5 Expressões Sem Sentido Usadas na Igreja Hoje!

Denúncia na igreja do evangelho quadrangular!

95 Teses para a Igreja de Hoje